Folha de Ribeirão Pires

03/08/2010 09:21 - Polícia

Homem mata mulher em suíte de motel

Ribeirão Pires registrou na noite do último sábado mais um crime bárbaro contra mulher. A auxiliar de produção, Vilma Miguel de Sousa Benjamim, 29 anos, foi estrangulada pelo namorado, o ajudante José Carlos Lima Cordeiro, 29 anos, dentro de um quarto de motel localizado no quilômetro 48 da Rodovia Índio Tibiriçá, no bairro Roncon em Ribeirão Pires.

Após o homicídio, José Carlos pulou a janela do quarto e tentou fugir pela rodovia, mas acabou atropelado. A polícia ainda investiga se o acusado tentou fuga ou suicídio.

De acordo com o boletim de ocorrência, uma funcionária do motel chamou a polícia informando que um casal entrou no motel naquela manhã e que, por volta das 22 horas ouviu-se barulho de vidros quebrando e em seguida um homem pulando a janela de um dos quartos e correndo no sentido da rodovia, sendo atropelado em seguida. Os policiais ao chegarem no local encontraram José Carlos sendo socorrido pelo Resgate.

Na tentativa de encontrar a vítima com vida, os militares forçaram a porta do quarto, uma suíte luxo decorada, e quando conseguiram adentrar no local, depararam com a vítima somente com roupas íntimas e deitada na cama. Ainda de acordo com os policiais, a suíte tinha um forte cheiro de bebida e resquício de cocaína. Uma ambulância municipal foi chamada onde foi confirmada a morte da mulher.

O vidro da janela do quarto da suíte estava quebrado e o pescoço da vítima tinha marcas de estrangulamento. Na parede do quarto estavam escritas algumas palavras cujos policiais não conseguiram decifrar.

Ainda dentro da suíte foram encontradas duas cápsulas de cocaína vazias e um cadarço de tênis que possivelmente fora utilizado no estrangulamento.

Foi dada voz de prisão a José Carlos, mas em razão das lesões sofridas no atropelamento, o acusado está sob escolta da Polícia Militar nas dependências do Hospital Nardini em Mauá onde segue internado. Após alta médica, será encaminhado ao Centro de Detenção Provisória de Mauá, local onde ficará à disposição da Justiça.

Enterro
O sepultamento de Vilma Miguel de Sousa Benjamim aconteceu na manhã de ontem no Cemitério São José em Ribeirão Pires e reuniu poucas pessoas.

Após o enterro, familiares conversaram com a Folha e disseram que não conheciam José Carlos.

Segundo os parentes da vítima, ninguém conhecia o indiciado e nem sabiam que Vilma estava namorando.

A vítima tinha três filhos, sendo que dois moram com parentes e somente o caçula, de três anos, residia com ela no bairro Bosque Santana em Ribeirão Pires.

José Carlos mora na cidade de São Bernardo do Campo, no bairro de Ferrazópolis e tem passagem na polícia por porte ilegal de arma.

Assassinato



Discussão pode ter sido o motivo do assassinato



A Folha apurou que o provavel motivo do homicídio pode ter sido ocasionado por uma discussão e o motivo seria o ex-namorado de Vilma.
José Carlos, que namorava há cerca de nove meses com Vilma, já estavam a várias horas dentro da suíte onde consumiram lanches e bebida alcoólica. Em certo momento Vilma havia pedido para que José Carlos matasse o ex-namorado dela, que é ex-presidiário e que o casal estaria sendo ameaçado de morte.

José Carlos teria recusado a cometer o crime e com isso Vilma começou a ofendê-lo. Nervoso com as ofensas, José Carlos e Vilma teriam se agredido e diante da briga, José Carlos teria pego um cadarço de tênis e estrangulado a vítima.

Após o homicídio, ele fugiu pela janela, mas antes deixou uma mensagem na qual os policiais não conseguiram decifrar.

A Polícia Civil de Ribeirão Pires não confirma a informação e informou que José Carlos só falará em juízo. A polícia acrescenta que José Carlos tem passagem pela polícia por porte ilegal de arma.

Nardini



Testemunhas contam o que viram



A Folha localizou um casal que estava no motel e se hospedou no quarto ao lado onde tudo aconteceu e também entrevistou o motorista que atropelou José Carlos. As testemunhas não quiseram se identificar.

De acordo com um casal que estava em uma suíte ao lado do quarto de José Carlos e Vilma, contou que chegou no motel e logo em seguida ouviu um barulho de vidro quebrando.

Com medo o casal ligou para a recepção que informou o ocorrido. Uma funcionária da recepção também tinha ouvido um barulho estranho e que já tinha comunicado a polícia.

Em seguida o casal olhou pela janela e pode perceber que José Carlos estava na Rodovia Índio Tibiriçá tentando se jogar na frente dos veículos.

Já de acordo com o motorista que atropelou o assassino de Vilma, disse que na verdade José Carlos tinha atropelado o motorista.
“Na verdade ele, que trajava uma bermuda jeans e estava sem camisa, estava no meio da pista de braços abertos. Eu estava na rodovia no sentido Suzano a menos de 80 quilômetros por hora, já que naquele trecho sempre têm radares, e não vi o homem. Quando percebi não dava mais tempo de brecar”, lembra o motorista.

Ainda de acordo com o motorista, o atropelamento aconteceu cerca de 400 a 500 metros do motel e que após o acidente, José Carlos não chegou a desmaiar.

“Assim que eu atropelei o rapaz, parei o veículo para prestar socorro e quando cheguei perto dele, ele não estava desmaiado, mas gemia muito”, lembra.

José Carlos foi socorrido pelo Resgate e levado para o Hospital Nardini em Mauá com várias fraturas pelo corpo.

Comentários


CARLA
11/08/2010 - 10:31
Eu acho um absurdo tudo que vem acontecendo em nossa cidade estamos cada vez mais sem segurança e os bandidos dominando nossa paz!!! Esse José tem que ser punido e o motorista que teve a infeliz sorte de atropela-lo não tem que ser punido pelo atropelamento pois o propio JOSE que causou o crime pena que as leis não funcionem assim e um inocente vaii pagar por um crime que nem se quer teria a intenção de cometer e fora que pode e corre o risco de ser demitido da empresa onde trabalha,nossas leis saõ uma porcaria e não dão segurança a quem precisa
CADE A NOSSA RIBEIRÃO PIRES QUE ERA SOSSEGADA CADE O POLICIAMENTO DA NOSSA CIDADE!!!!!

Responder


+21
+22°
+16°
Ribeirao Pires
Terça-Feira, 24